23 de outubro de 2018

Iron Fight

Quais são os benefícios da glutamina?

Se você chegou até aqui tendo em vista maiores informações sobre o que é glutamina, veio ao lugar certo! Na publicação de hoje, vamos analisar esse suplemento e entender como ele pode ser utilizado para otimizar os seus resultados nos treinos.

O mercado da suplementação alimentar apresenta novidades constantes. São cada vez mais produtos com objetivos específicos, normalmente relacionados ao ganho e definição dos músculos e à eliminação de gorduras corporais.

Muitas pessoas já conhecem os multivitamínicos e o Whey Protein. Mas a glutamina também está ganhando inúmeros adeptos. Logo, logo, você entenderá os motivos. Acompanhe a leitura a seguir.

Glutamina: o que é isso?

A glutamina nada mais é do que um composto a base de aminoácidos. Eles são produzidos pelo organismo naturalmente, mas nem sempre nas medidas adequadas. Por serem indispensáveis para o bom funcionamento do corpo, a suplementação vem a calhar para preencher lacunas nutricionais e garantir a sua presença na corrente sanguínea.

Basicamente, seus componentes se unem às proteínas, favorecendo o transporte de nitrogênio aos tecidos musculares. Esse processo facilita o ganho de massa magra e gera a hipertrofia.

Mais da metade dos músculos humanos são compostos por glutamina, o que é um índice bem expressivo. Isso sem falar da sua presença nos órgãos de diferentes sistemas.

Na indústria de suplementos, a glutamina é feita em versões variadas. São mais comuns as em pó ou em cápsulas.

 GLUTAMINA

A função da glutamina no organismo

Além de sabermos o que é glutamina, também é indispensável entendermos a sua função dentro do nosso corpo. Conforme mencionado anteriormente, essa substância leva nitrogênio aos tecidos. Além disso, também contribui para a eliminação da amônia.

Essa função está intimamente ligada ao funcionamento do metabolismo. O que faz com que atletas profissionais e pessoas ativas fisicamente priorizem a sua ingestão através de suplementos alimentares. Afinal, tal prática evita períodos prolongados de catabolismo.

Também há estudos que relacionam o consumo de glutamina com a síntese do GABA, sigla para Gamma-AminoButyric Acid, ou seja, ácido gama-aminobutírico. Por ser um neurotransmissor importantíssimo, até mesmo a eficiência do cérebro é otimizada.

Por fim, outra função atrelada à glutamina é a redução dos sintomas de overtraining. Sua fonte energética reduz a fadiga muscular, amenizando os efeitos doloridos dos treinos de alta intensidade. Em suma, ela bloqueia o aumento do cortisol, hormônio responsável por reduzir o rendimento físico, dentre outros sintomas desagradáveis.

Pontuando os benefícios da glutamina

Como pudemos perceber até então, são diversos os efeitos positivos da glutamina, o que é ideal para quem treina pesado em busca de uma forma física mais definida. Observe seus benefícios:

  • Aceleração metabólica, reduzindo o catabolismo
  • Favorecimento do sistema imunológico
  • Aumento da massa muscular
  • Equilíbrio hormonal pós-treino, evitando desgastes e melhorando o humor
  • Redução das chances de doenças degenerativas
  • Melhoria do sistema gastrointestinal, permitindo a regulação do intestino e a melhor absorção de nutrientes
  • Diminuição dos níveis de glicose no sangue e das chances de desenvolver diabetes
  • Melhoria do desempenho cerebral, auxiliando nas atividades que exigem memorização e raciocínio rápido
  • Efeito antioxidante nos tecidos, eliminando impurezas e levando mais nitrogênio aos músculos

Quanto, quando e como tomar glutamina

As pessoas que são fisicamente ativas e fazem exercícios regulares, assim como os atletas, podem tomar até 20 g de glutamina por dia. Estudos relatam que até mesmo uma dosagem pequena, de somente 5 g por dia, já contribui significativamente para o corpo.

Comumente, adota-se a medida básica de 10 a 15 g diárias. Mas as instruções na embalagem costumam conter a recomendação do fabricante. Para distribuir essa quantidade ao longo do dia, é possível usar como base o seguinte cronograma:

De manhã

Em jejum, a ingestão de até 5 g do produto ajuda no equilíbrio da glicose no sangue.

No pré-treino

30 minutos antes de começar as atividades físicas, são recomendadas de 4 a 8 g da substância.

No pós-treino

Logo após finalizar os exercícios, o consumo de até 5 g de glutamina acelera a recuperação dos músculos além de equilibrar os aminoácidos gastos durante as séries.

 A noite

Na última refeição do dia, a inclusão de até 5 g da substância ajuda na produção do hormônio do crescimento, otimizando o resultado anabólico durante as horas de sono e repouso.

Se for em pó, a dose pode ser adicionada ao shake com Whey Protein ou bebidas com eletrólitos.

 glutamina

Restrições no consumo da substância

Em geral, não há contraindicações para o consumo da glutamina, o que é um ponto favorável para quem pega pesado no treino. A restrição, como de praxe, se dá apenas para pessoas com problemas no fígado.

No entanto, há alguns estudos em andamento que recomendam aos diabéticos que também evitem sua ingestão. Seu organismo, aparentemente, metaboliza os aminoácidos de uma forma diferenciada, o que requer o acompanhamento de um profissional habilitado.

Fora isso, não há efeitos colaterais indesejados que tenham sido registrados pelo consumo da substância. Sugere-se, contudo, que as doses não sejam exageradas. Isso poderia levar o organismo ao excesso de flatulência ou a reduzir a própria capacidade de produzir glutamina.

Curiosidades e informações adicionais

Agora que você entendeu o que é glutamina e como ela funciona, que tal conhecer algumas curiosidades inusitadas sobre o produto?

Seus aminoácidos são tão importantes que acabam sendo inseridos no tratamento de pessoas com HIV ou câncer. A razão é simples: a glutamina melhora as funções orgânicas e melhora o sistema imunológico.

No caso dos portadores de HIV, por exemplo, mesmo que ainda não tenham desenvolvido a AIDS, a imunidade tende a ficar muito baixa.

Já no caso daqueles que enfrentam doenças cancerígenas, é o próprio tratamento com quimioterapia que causa isso. Perceba como é rica e valiosa a ingestão dessa substância.

Por ter impacto positivo sobre o trato gastrointestinal, quem sofre com úlceras, colite, danos provocados pelo alcoolismo ou com a doença de Crohn também pode incluir a glutamina na dieta.

Ela é uma grande aliada na reestruturação da flora intestinal e complementa o consumo de aminoácidos realizado pelo estômago.

E então, o que achou sobre os tópicos abordados hoje? Depois de compreender melhor o que é a glutamina fica bem mais fácil de aderir ao seu uso. Aproveite!

Aproveite para ler também:

Colágeno hidrolisado e seus benefícios

Multivitamínico, devo tomar?

Compartilhar esta matéria

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp